Dicas

Os 5 tipos de professores mais irritantes na faculdade

tipos de professores mais irritantes na faculdade

Existem alguns tipos de professores que você percebe que caem de paraquedas na profissão. Normalmente, eles têm dois destinos: ou duram muito pouco no cargo ou passam a carreira sendo odiados.

Ser responsável pela formação de uma pessoa requer muita responsabilidade. Não basta conhecer o assunto tratado: é necessário saber passar a matéria da maneira adequada e respeitar os alunos dentro e fora de sala de aula. Vejamos as 5 características mais irritantes que alguns professores podem ter:

1. O professor arrogante

“Eu trabalhei em tal lugar, escrevi tal livro. Eu nem precisaria dar aula. Só estou aqui por prazer”. Prazer? Aham, sei.

Existe ainda aquele que simplesmente subentende que você tem um conhecimento prévio sobre um assunto, fazendo com que você se sinta a pessoa mais ignorante do mundo se ousar fazer uma pergunta básica. É aquele que te manda ler textos em inglês e não quer nem saber se você não sabe a língua, por exemplo.

Como deve ser:

O professor tem que se conscientizar que os alunos entram na faculdade justamente para aprender. Caso contrário, não precisariam estar ali.

2. O que acha que você só faz a matéria dele

Os alunos reclamam e ele responde: “Não é possível que vocês não possam reservar duas horinhas do dia para ler esse texto”.

Tem ainda o que passa os três primeiros meses do semestre sem pedir trabalhos ou provas e acaba concentrando todos os pontos lá no finalzinho. Estaria tudo bem se outros professores também não fizessem o mesmo, deixando os alunos desnorteados e sem saber o que priorizar.

Como deve ser:

Ele deve se lembrar de que os outros professores também têm sua demanda de tarefas extraclasse. Por que não distribuir melhor os pontos ao longo do semestre?

3. O professor rockstar

Transforma a sala de aula em um palco para fazer seu show de stand-up. Na sua cabeça, todas as alunas (sem exceção!) são loucas por ele. Dá a aula lançando olhares e fazendo gracinhas de duplo sentido. Só que, com o tempo, as piadas vão se tornando cansativas.

Como deve ser:

O foco da aula deve ser sempre o assunto falado, não a pessoa que está falando. Se o professor primeiramente se preocupar em dar uma boa aula, a admiração virá como consequência.

4. O que tem botão de “piloto automático”

É aquele que há anos dá a mesma matéria. No início da aula ele aperta o “on” — dá a aula sem se importar se alguém está prestando atenção — e 50 minutos depois aperta o “off”. Só quer saber do salário entrando na conta ao fim do mês.

Como deve ser:

Conquistar a atenção de alunos e ouvintes tem virado cada vez mais uma arte. O mundo está evoluindo depressa e quem não se atualizar fica para trás. O professor deve estar constantemente estudando sobre o assunto tratado e sobre métodos de ensino para não ficar defasado em seu ofício.

5. O picareta

Esse faz de tudo para fugir da aula ortodoxa, retrógrada. Passa muitos filmes, faz mil brincadeiras, afinal “o ser humano aprende muito melhor através do lúdico”. No fim do semestre, a sensação que fica é a de que nenhuma informação concisa foi passada, deixando os alunos à deriva naquela matéria.

Como deve ser:

Dinâmicas e recursos visuais devem ser vistos como meras ferramentas. É um erro que um professor deixe um filme dar aula em seu lugar.

Dar aula é um dom que poucos possuem. É essencial muita dedicação para que um professor se inove constantemente e possa levar a seus alunos o melhor conteúdo que eles poderiam receber em dada área do conhecimento, dosando aí a cumplicidade, a honestidade e a simpatia necessárias para que ele seja visto como uma figura de respeito.

Achou esse assunto interessante? Identificou os tipos de professores da sua época de escola? Escreva nos comentários se você conhece algum tipo de professor mais irritante do que os descritos nesta postagem!

2 Comentários

  • Eu nunca tive um bom professor. O bom professor tem 3 qualidades básicas e essenciais: tem domínio do que deve ser ensinado, tem didática, tem paciência e humildade para responder perguntas.

    Tenho 39 anos, já fiz dois bacharelados (ciência da computação e farmácia) e só vejo professor engraçadinho, que quer aparecer, ser popular, que passa várias informações desconexas em cada slide fazendo com que alunos não saibam o que devem estudar, explica mal exatamente para que ninguém entenda e ele faça de conta que é super inteligente, sendo que não é, ou não tem paciência com alunos.

    Este, quando alguém faz qualquer pergunta, ele faz cara de cansado ou ridiculariza o aluno, diz coisas do tipo “sua quota acabou por hoje” depois de duas perguntas, sendo que ninguém mais da sala está interessado e não faz perguntas.

    Eu quero ser professor e descobri que esses nojentos ainda estão preocupados com a concorrência. Estou fazendo complementação pedagógica e o couto magalhães em anápolis me expulsou do estágio depois de dois dias porque os “professores” de matemática wilma e wesley reclamaram pra coordenação, dizendo que não estavam confortáveis com minha presença em sala de aula.

    Sei… estavam é me impedindo de completar o estágio, me atrapalhando a formar porque têm medo de concorrência. Bando de idiotas.

Deixe um comentário