Dicas

Qual o melhor e-reader no mercado?

Qual o melhor e-reader no mercado

A tecnologia tem criado praticidade, inovando as formas como realizamos as mais variadas tarefas em nosso dia a dia. Por exemplo: o fato de podermos efetuar inúmeras transações bancárias por meio de um smartphone.

Além desse, outros exemplos são os nossos meios de comunicação, entretenimento e informação, que estão cada vez mais práticos e eficientes por causa dos avanços em tecnologia móvel. Hoje, é literalmente possível carregar uma biblioteca em seu bolso graças aos e-readers.

Esses pequenos dispositivos que se parecem com tablets permitem ao usuário armazenar um grande número de livros em formato digital. E ainda permitem que sejam lidos a qualquer hora e em qualquer lugar.

Continue a leitura para saber qual o melhor e-reader no mercado.

Como escolher um e-reader?

Os e-readers foram desenvolvidos com o objetivo de armazenar digitalmente o conteúdo de livros, sendo muito úteis para estudantes universitários e leitores em geral.

Entre os modelos já disponíveis no mercado brasileiro, os mais conhecidos são: Kobo, Lev e o famoso Kindle. Eles são feitos para proporcionar uma experiência de mobilidade e leitura agradável ao usuário. Mas será que são todos iguais?

Compatibilidade de formatos

Atualmente, os formatos EPUB e MOBI têm sido mais utilizados para armazenamento de livros digitais. Portanto, é importante escolher um e-reader que tenha compatibilidade com essas duas extensões.

Apesar de o PDF ser um formato muito utilizado em computadores, notebooks e smartphones, alguns modelos de e-reader não têm compatibilidade com esse tipo de arquivo.

Como muitos artigos acadêmicos são formatados em PDF, o Lev é o mais indicado para universitários, já que é o único que tem tecnologia Reflow, que ajusta as dimensões do e-book para otimizar a leitura.

Armazenamento

No quesito espaço de armazenamento, o Kobo e o Lev são superiores ao Kindle, pois ambos têm entrada para cartão SD. Isso significa que o usuário pode expandir sua memória caso seja necessário.

Do outro lado, o Kindle está restrito apenas aos seus 4 GB internos. Mas lembre-se de que com “apenas” 4 GB é possível armazenar cerca de 2 mil livros.

Considerando que arquivos em PDF são mais pesados, se o usuário faz somente leitura de textos comuns, a expansão da memória torna-se um fator irrelevante.

Disponibilidade de conteúdo em português

Se o seu repertório de leitura não inclui apenas livros em português, o Kindle, certamente, é o e-reader indicado para você. Isso porque a Amazon contém um dos maiores acervos da atualidade incluindo e-books em diversos idiomas.

Entretanto, se o que você busca são livros em português, o Lev é a escolha ideal, pois seu acervo é disponibilizado pela Saraiva. O Kindle fica em segundo lugar e o Kobo em terceiro (Livraria Cultura).

Duração da bateria

Esse é um fator muito relevante se você pretende utilizar seu e-reader para estudar. Afinal, ele não pode deixar na mão em épocas de provas e testes.

Nesse quesito os três modelos têm o mesmo desempenho: cerca de duas horas de leitura por dia durante um mês sem precisar de uma nova carga.

Em comparação com smartphones e tablets, a resistência da bateria dos e-readers é exponencialmente superior.

Qual o melhor e-reader para estudos?

Após analisar aspectos como compatibilidade de formatos, armazenamento interno e extensão de memória, disponibilidade de conteúdo em idioma nacional e duração da bateria, ficou evidente que apesar do vasto repertório da Amazon, o Lev é o e-reader mais indicado para estudantes universitários.

Isso por algumas razões. Primeiro, ele suporta todos os formatos de arquivo para livros digitais sem afetar a experiência de leitura do usuário. Segundo, ele permite que a memória seja expandida por meio de um cartão SD. E ainda tem um acervo de livros nacionais e títulos traduzidos mais completo.

Agora que você sabe qual o melhor e-reader para estudantes, assine nossa newsletter para continuar acompanhando todos os nossos conteúdos.

1 Comentário

  • Qual o melhor leitor? Já tive os três, todos são bons. A grande vantagem do Kindle seria a incomparável base de dados. Para atividade de pesquisa encontramos com o Kindle as publicações mais relevantes. Pontos negativos do Kindle, a minha versão por exemplo não reconhece outro alfabeto como hebraico. Além disso a tela é de apenas 6”. Operacionalmente há um diferencial no Kindle: a facilidade de se transferir Arquivos, por e-mail. É muito fácil adaptar qualquer formato de arquivo ao formato ideal do Kindle pelo e-mail. O Kobo é muito bom também e atualmente tem tecnologia mais avançada. O Kobo já conta com grande número de opçoes de dicionário. Na seleção de textos já há ferramenta para se traduzir. Ponto negativo: o funcionamento ideal do Kobo é por meio do ePub; muitas vezes o aparelho é lento. O lev é bom também. De todos o lev é o que funciona melhor com pdf. Negativo não aceita MOBI, tela de apenas 6”. O melhor de todos é o papyri, vendido no México como grammata. Muito operacional. O ponto negativo do papyre, durabilidade. Eu tenho o Kindle há 7 anos, meu leve tem 4, o papyre não dura muito. Seria o melhor, pois no funcionamento é muito mais operacional, confortável e simples de todos. Kobo, lev e Kindle: qual o melhor? Depende. Para usar textos em pdf o lev. Se é necessário preservar o formato do arquivo em pdf, nem há dúvida. Para pesquisa, o Kindle é incomparável, pois oferece publicação do mundo todo, de forma mais ampla. Se a questão é o conforto da leitura, o Kobo é melhor. Pelo custo-benefício o Kindle seria o melhor, tem opções acessíveis. O papyre seria o mais barato de todos, não custa mais de 100 dólares com melhor funcionamento, mas com vida útil duvidosa. Só um detalhe, o leitor mais sofisticada seria o remarkable longe de ser comercializado no Brasil, que nos Estados Unidos não é vendido a menos de 700 dólares. A Sony tem opções interessantes, prs, com concorrente do remarkable a 900 dólares, e outros dispositivos mais baratos, com funcionalidade interessante.

Deixe um comentário