Dicas

6 práticas que vão te ajudar a produzir bons artigos científicos

6 práticas que vão te ajudar a produzir bons artigos científicos

Você está passando por aquele momento difícil de ter que escolher entre escrever artigos científicos ou sair correndo e comprar uma passagem para Marte? Depois de alguns minutos de reflexão, você vai acabar concluindo que esta é mais uma etapa da vida do estudante e, se você se planejar e organizar as ideias, conseguirá ultrapassar este desafio.

Para alcançar este objetivo, algumas práticas são determinantes. Um artigo acadêmico não é elaborado de uma hora para outra: exige disciplina, compreensão do tema e amadurecimento de ideias.

Você já sabe sobre o que vai escrever? Veja algumas dicas para ajudá-lo nessa travessia:

Leia, leia e… leia

Para aumentar a qualidade do seu texto, ler será sua ferramenta-chave durante todo o processo de elaboração do artigo acadêmico. Depois que você se decidiu sobre o tema, é imprescindível ler artigos relacionados de outros autores. É importante que sejam especialistas no tema e que os textos estejam atualizados, condizentes com a realidade.

Em uma fase posterior, quando você já estiver na etapa de execução, ler e reler serão fundamentais para eliminar erros de gramática e de entendimento (coesão, coerência, concatenamento de ideias, argumentação etc.)

Defina início, meio e fim do artigo

Elaborar uma espécie de “roteiro mental”, que inclua o início, o meio e o fim do seu artigo científico pode contribuir para que, no momento de você começar a escrever, o texto seja mais claro, especialmente na primeira versão, que você ainda está levemente perdido quanto aos rumos de sua produção.

É importante destacar que mesmo seu texto requeira inúmeras revisões posteriores, a primeira versão será um norteador para as próximas ações.

Comece a escrever pelo que for mais confortável

Parece uma dica óbvia, mas muitas pessoas cometem o deslize de optar por iniciar o texto pela parte mais difícil.

Além de perder momentos preciosos “quebrando cabeça” em itens que você não domina, o ideal é mergulhar em temas que você tem mais desenvoltura, como se fosse um aquecimento para a parte mais difícil. Alguns autores sugerem começar pelos objetivos.

Prefira sempre a voz ativa em detrimento da passiva

Como o próprio nome indica, a voz ativa é a forma mais simples de colocar as ideias no papel. É a combinação de um sujeito que pratica uma ação sobre determinado objeto.

A voz passiva, bastante utilizada em artigos acadêmicos, pode ser aplicada, mas com moderação, porque ela pode contribuir para a perda da força dos argumentos, além de tornar o texto confuso.

Transforme as normas da ABNT em seu “mantra”

Se você ainda não conhece a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), precisa aprender a lidar com epígrafe, citações, notas de rodapé, referências bibliográficas e o tão temido “plágio”. Baixe gratuitamente o nosso Guia do TCC com todas as regras da ABNT.

Seguir a normatização da ABNT em um artigo científico é o mesmo que obedecer as regras de uma modalidade esportiva. Se um atleta queimar a largada, por exemplo, está fora da competição. Portanto, considere as regras da ABNT o cartão de visita do seu artigo científico.

Utilize fontes que realmente sejam fundamentadas

Um texto fundamentado exige citações de autores experts no assunto, conhecidos mundialmente em suas áreas. Certifique-se de que as fontes utilizadas em seu artigo acadêmico sejam autoridades no assunto. Outra dica é optar por uma opinião contrária à sua argumentação ou que pelo menos um dos autores tenha outra visão do assunto. Além de tornar o artigo interessante, demonstra que você realmente pesquisou o tema.

Como se vê, há muito serviço a ser feito para quem pretende arrasar na hora de escrever artigos científicos. Se você tem interesse em outros artigos sobre várias disciplinas, acesse nosso blog e assine a newsletter! E boa sorte em seus próximos artigos!

1 Comentário

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.